O emprego em Toronto

Dias atrás, você acompanhou como foi a minha ida ao Canadá. Nesta semana, você saberá como essa história terminou e se eu consegui ou não imigrar para o país.

Após uma semana procurando empregos de TI em Toronto notei que o mercado na área era um pouco diferente do brasileiro. As empresas não estavam interessadas muito em títulos ou certificações, mas sim em experiências que você teve no passado e o que isso ajudou no crescimento da empresa onde trabalhou. Ou seja, não importa se você cursou uma faculdade de fundo de quintal no Brasil ou uma universidade federal, o que eles querem saber é se você é realmente qualificado e tem a experiência que atenda às necessidades deles.

Antiga prefeitura de Toronto

Em uma das minhas idas à escola em que fazia o curso de inglês, vi um cartaz onde estava escrito: “Estamos com uma vaga aberta para profissionais de TI”. Sorte grande! Corri para o setor responsável pela oferta de vaga e logo marquei uma entrevista com o Gerente de TI para o dia seguinte. Sabia que caso conseguisse a vaga, minhas chances de ter algo após a minha experiência de trabalho com eles era grande e por isso estava disposto a tudo para não perder essa oportunidade.

No dia seguinte conheci a pessoa que viria a ser meu chefe nos próximos 3 meses, Craig, um canadense vindo de outra parte do país, fugindo do frio e buscando por mais oportunidades em Toronto. A entrevista correu bem. Ele me fez perguntas sobre as minhas atribuições na empresa, quais as tecnologias que usávamos, qual foi a minha maior realização dentro da Evolux e o impacto que isso causou, entre outras coisas. Craig ficou muito empolgado quando soube que eu era familiar com VoIP, pois, com a chegada de uma nova unidade da escola em Nova York, ele pretendia utilizar uma comunicação toda baseada nessa tecnologia entre as demais escolas. Isso me fez ganhar muitos pontos em relação aos demais candidatos à vaga.

Após responder várias perguntas sobre mim, fiquei curioso para saber como era a infraestrutura de rede da escola que era de responsabilidade de Craig. Ela era composta basicamente de dois campi em Toronto, um em Montreal e outro que iria ser criado mais tarde em Nova York. Mesmo sendo uma rede Windows, vi nessa oferta uma chance boa para ter esse tipo de experiência, já que nunca tinha administrado esse modelo de rede anteriormente.

Craig e eu conversamos durante uma hora. Ele me mostrou um pouco da infraestrutura de rede presente na escola, me falou um pouco sobre os serviços que rodavam por lá, assim como os projetos que ele tinha em mente para eu desenvolver. Ao final da entrevista ele certificou que o meu perfil era ideal para a vaga e que eu começaria na semana seguinte.

Trabalhar para a escola foi uma experiência fantástica. Aprendi muito sobre redes Windows, além de ter aumentado minha fluência no inglês. Ajudei no que pude e recebi muitos elogios durante todo tempo em que estive por lá, fato este que me ajudou na hora de pedir para a escola me contratar posteriormente.

Escola onde trabalhei - ILSC Toronto. (fonte: Divulgação - http://www.ilsc.ca)

Ao final do meu tempo de estágio tive uma reunião com o dono da escola e ele me falou que o visto de trabalho para o meu tipo cargo (Administrador de Redes) em Toronto estava muito difícil de ser obtido, quase impossível, e que não seria possível a escola me contratar naquele momento.

Vi que existia muitas vagas de emprego, porém mais gente ainda procurando por elas, principalmente Indianos. Fiquei muito triste com a notícia. Parecia que tudo que eu fiz, toda minha pesquisa, todo meu suor não tinha valido nada. Porém, mais tarde, ele me chamou novamente para uma outra reunião e me disse que estava muito satisfeito com meu empenho durante o período em que trabalhei por lá, que tinha recebido boas críticas sobre mim e que gostaria de continuar comigo na empresa, mas com um visto de estudante, o mesmo que eu possuía até aquele momento. Continuar no Canadá com esse tipo de visto não ajudaria em nada no meu sonho de imigração, mesmo que eu estivesse morando em Toronto, como sempre quis.

Pôr do Sol na CN Tower

Foi uma decisão difícil e depois de muita análise decidi voltar para o Brasil e tentar imigrar de outra forma. Todos por lá entenderam minha escolha, concordaram e me desejaram sorte. Meu último dia de trabalho foi difícil, ver todos falando que a escola não seria mais a mesma sem mim foi muito emocionante. É sempre bom saber que tudo aquilo que você faz, mesmo que por menor que seja, é importante de certa forma na vida de outras pessoas. São essas coisas que me impulsionam cada vez mais na busca de soluções para os problemas diários na Evolux, não importa se para uma empresa que lida com pacientes, médicos e enfermeiras ou para uma empresa que comercializa produtos de informática, todas são importantes.

Ao voltar para o Brasil retornei para a empresa que confiou em mim no início de minha carreira, a Evolux. Fui recebido de braços abertos por toda a equipe, mesmo sabendo que um dia irei ter de sair da empresa novamente para tentar minha vida fora do Brasil.

Por fim, notei que depois de toda experiência que obtive em Toronto, cresci muito como profissional e também como pessoa. Morar em um cidade de primeiro mundo te mostra o quanto estamos longe da realidade enfrentada por diversas cidades canadenses. As pessoas são muito educadas, mesmo que não sendo tão calorosas como aqui no Brasil, elas te passam uma maior confiança e honestidade a todo momento. Isso me fez parar e perceber várias coisas que via aqui no Brasil e fazer comparações sadias para serem aplicadas em minha vida.

Toronto, somente boas lembranças

Com relação à parte profissional, aprender novas tecnologias, mesmo que não sendo as mesmas usadas por mim na Evolux, ajudou a ter uma ideia do porquê que as usamos. Ou seja, ter um conhecimento sobre o que há de disponível no mercado e saber discernir o que é adequado para um cenário que você está implantando foi uma das lições que aprendi durante todo esse tempo que trabalhei no Canadá. Isso faz com que você seja um profissional diferenciado no mercado, mais completo, assim como todos na Evolux.